sexta-feira, 17 de junho de 2011

Fotoperiodo e Floração

Material da Profa. Dra. Durvalina Maria Mathias dos Santos. Disciplina de Fisiologia Vegetal, Unesp, Jaboticabal. 2004  1
Introdução
Após o estudo das Relações Hídricas, Absorção  e Transporte de Íons, Fotossíntese, Crescimento  e
Desenvolvimento Vegetal (os hormônios vegetais e correlatos), onde você teve muitas informações sobre estes temas não podemos deixar de mencionar a importância do  FLORESCIMENTO, pois o sucesso evolutivo das plantas, com flores, depende em grande parte da capacidade  de suas sementes sobreviverem em condições adversas. A floração é, portanto, um ponto essencial  para a sobrevivência de muitas plantas. Essas plantas devem crescer em um ambiente que proporcione os estímulos necessários para a floração. Espécies que florescem em dia longo, de regiões temperadas, não florescem nos dias curtos dos trópicos. As exigências de resfriamento de plantas anuais de inverno, bianuais e perenes também não são satisfeitas em ambientes tropicais. Assim, no texto a seguir, resumidamente, está descrita a importância do desenvolvimento vegetal, enfatizando a juvenilidade e o florescimento com detalhes deste processo vegetal de importância fundamental para a produtividade de muitas culturas de interesse econômico. Ressalto que, não se deve esquecer de verificar o capítulo de bibliografia, o qual contém referências muito pertinentes a este tema tão interessante.
Boa leitura e Estudo
 ___________________________________________________________________________
FLORESCIMENTO
A mudança da fase vegetativa para a fase reprodutiva é uma alteração crítica no ciclo das plantas, 
crucial para a produção de frutos e sementes.   
FOTOPERIODISMO E FLORAÇÃO 
Fotoperiodismo é a resposta biológica a uma modificação nas proporções de luz e escuridão num 
ciclo de 24 horas. Na realidade, é um mecanismo desenvolvido pelos organismos para medir o tempo da 
estação. 
1.  PLANTAS DE DIAS CURTOS OU PLANTAS PDC: Florescem no início da primavera ou do
outono. Devem ter um período de luz mais curto que um determinado comprimento crítico. Como 
exemplo citaremos as algumas espécies de interesse agronômico que florescem apenas durante o outono: 
crisântemos, café, bico de papagaio (Euphorbia spp), morangos, prímulas.  
2. PLANTAS DE DIAS LONGOS ou PLANTAS PDL: Florescem principalmente no verão. Devem ter 
um período de luz mais longo que um determinado  comprimento crítico. Como exemplo citaremos as 
algumas espécies de interesse agronômico que florescem na primavera – verão:  espinafre, algumas 
batatas, certas variedades de trigo; alface, aveia, cravo, ervilha . 
O primeiro grupo de plantas florescem quando comprimento do dia for  menor  ou igual ao seu 
fotoperíodo crítico. PDL somente florescem quando o comprimento do dia for  maior  ou igual ao seu 
fotoperíodo crítico. Uma conseqüência dessa definição é que PDL conseguem florescer em luz contínua. 
Fotoperíodo crítico é o valor em horas diária de iluminação capaz de provocar a floração. No entanto, é 
o período de escuro que induz a floração. Por exemplo, PDL com fotoperíodo crítico igual 18 horas, deve 
florescer em períodos diários de iluminação superiores a 18 horas ou em períodos diários de escuro iguais 
ou inferiores a 6 horas (Figura abaixo). A importância da duração do período de escuro na floração pode 
ser confirmada interrompendo uma noite longa, a qual foi submetida uma planta de dia longo com um 
breve período de luz permitindo que ocorra a floração. Um período de escuro durante um período longo 
de luz não fará florescer uma planta de dia curto.  Material da Profa. Dra. Durvalina Maria Mathias dos Santos. Disciplina de Fisiologia Vegetal, Unesp, Jaboticabal. 2004  2
Florescimento em plantas de dia longo (PDL). Fotoperíodo críticos diferentes são 
mostrados pelas linhas azul e vermelha. As PDL representadas pela linha azul deverão florescer 
acima ou igual ao fotoperíodo crítico de 10 horas. PDL representadas pela linha vermelha deverão 
florescer acima ou igual ao fotoperíodo crítico de 18 horas. Note que, para cada fotoperíodo crítico a 
duração de escuro completa o período de 24 horas.
3. PLANTAS INDIFERENTES ou NEUTRAS: florescem sem nenhuma relação com o comprimento 
do dia. Como exemplo: Milho, Tomate Material da Profa. Dra. Durvalina Maria Mathias dos Santos. Disciplina de Fisiologia Vegetal, Unesp, Jaboticabal. 2004  3
Fonte: RAVEN & JOHNSON (1996), p. 796 Material da Profa. Dra. Durvalina Maria Mathias dos Santos. Disciplina de Fisiologia Vegetal, Unesp, Jaboticabal. 2004  4
FITOCROMO E FOTOMORFOGÊNESE 
As plantas crescidas na escuridão têm uma aparência pálida, quase etérea. É o crescimento 
estiolado
1
 Esta forma delgada, “debilitada” de crescimento é dramaticamente diferente da aparência .
verde mais forte de plantas crescidas na luz, pois os plastídeos não se tomam verdes até que sejam
expostos à luz.  
FIGURA 1. A plântula no escuro (Dark) está estiolada e a plântula na luz (light) não está estiolada.  
Dado o papel chave da fotossíntese no metabolismo da planta, estaria se tentando atribuir muito 
deste contraste a diferenças na disponibilidade de energia metabólica derivada da luz. Entretanto, usa-se 
muito pouca luz ou tempo para iniciar a transformação  da aparência etérea para a verde. Dentro de 10 
minutos após aplicar um único jato de luz à uma planta de ervilha crescida no escuro, pode-se medir uma 
diminuição na taxa de extensão do caule, o começo  do endireitamento da curva apical, e o início da 
síntese de pigmentos características de plantas verdes. A luz agiu como um sinal para induzir uma 
mudança na forma da planta para uma que facilite o crescimento abaixo do solo para um mais adaptativo, 
para crescer acima do solo na luz. A fotossíntese não pode ser a força motriz desta transformação porque 
a clorofila não está presente durante este período. O total desestiolamento requer um pouco de 
fotossíntese, mas as mudanças rápidas iniciais são induzidas por uma resposta de luz distintamente 
diferente chamada fotomorfogênese. 
Entre os pigmentos diferentes que podem promover respostas fotomorfogênicas em plantas, os 
mais importantes são aqueles que absorvem luz azul vermelha. O objetivo deste capítulo será o 
fotorreceptor de luz vermelha, FITOCROMO. 
O Fitocromo 
                                           
1
Alteração mórbida das plantas que vegetam em lugar escuro ou são privadas da luz, e que se caracteriza pelo descoramento e amolecimento 
dos tecidos ao atingirem certo grau de crescimento. Material da Profa. Dra. Durvalina Maria Mathias dos Santos. Disciplina de Fisiologia Vegetal, Unesp, Jaboticabal. 2004  5
O fitocromo é um pigmento comumente presente nos tecidos das plantas, é a molécula 
fotorreceptora que detecta as transmissões entre a luz e o escuro.  
Embora o fitocromo não tenha sido identificado em uma única espécie química e nomeado até 
1959, várias respostas morfogênicas induzidas pela luz vermelha em plantas foram bem documentadas 
desde 1930. A lista de tais respostas é agora enorme e inclui uma ou mais respostas em quase todo estágio 
na história de vida de uma ampla extensão de diferentes plantas verdes.
O pigmento pode existir sob duas formas, Fv
2
 (660 nm) e Fve
3
 (730nm). A forma Fv absorve luz 
vermelha curta (660 nm) e é em conseqüência convertida na forma Fve (730 nm).  
A forma Fve (que absorve a luz vermelho longo, é a FORMA ATIVA do pigmento, promovendo 
a floração em plantas de dias longos, inibe a floração em plantas de dias curtos, estimula a germinação de 
sementes de alface (veja o texto no final) e promove o crescimento normal de plântulas. 
PIGMENTO QUE EXISTE SOB DUAS FORMAS DIFERENTES 
P660 (PR ) e  P730 (PFR)
As propriedades fotoquímicas e bioquímicas do Fitocromo 
O primeiro evento demonstrando fotorreversabilidade de luz vermelho/vermelho extremo foi o 
processo da germinação de semente de alface (a germinação é promovida pela luz  vermelha, mas luz 
vermelho extremo dada imediatamente após a luz vermelha anulou seus efeitos e inibiu a germinação.  
Foi predito que o fotorreceptor por este sistema fotorreversível deve ser ele mesmo 
fotorreversível: isto é, ele mudaria suas próprias propriedades de absorção (mudar a cor) após tratamentos 
de luz vermelha e vermelha profunda. 
                                           
2
Fv: fitocromo quando absorve o comprimento de onda vermelho (ou vermelho curto), também pode ser referido como PR ou P660.
3
Fve: fitocromo quando absorve o comprimento de onda vermelho extremo (ou vermelho longo), também pode ser referido como PFR ou 
P730.Material da Profa. Dra. Durvalina Maria Mathias dos Santos. Disciplina de Fisiologia Vegetal, Unesp, Jaboticabal. 2004  6
Um instrumento para detectar mudanças fotoreversíveis de cor em plantas foi projetado, e em
1959 este prognóstico foi verificado observando tais mudanças reversíveis tanto em plantas como em
extratos de planta (Butler et al., 1959). Usando  a fotoreversibilidade como um exame qualitativo e 
quantitativo deste pigmento, os cientistas logo foram capazes de purificar e caracterizar quimicamente o 
fitocromo como um pigmento de proteína contendo uma molécula específica absorvendo luz, ou 
cromóforo (grupo orgânico que absorve luz). Devido ao conhecimento das propriedades fotoquímicas e 
bioquímicas do fitocromo purificado, que esclareceram como o fitocromo funciona  in vivo, nós 
revisaremos estas propriedades logo a seguir. 
As duas formas de Fitocromo são interconversíveis
4
Em plantas não irradiadas, o fitocromo está presente em uma forma absorvendo luz vermelha 
referida com P660. Esta forma, azul em cor, é convertida por luz vermelha para uma forma absorvendo 
luz vermelha extrema chamada P730, a qual é  azul-verde em cor. A forma Pfr, por sua vez, pode ser 
convertida de volta a Pr pela luz vermelha profunda.  
P660  absorve a luz vermelha (PR ) sendo convertido em P730 (PFR )
Esta conversão ocorre em presença de luz solar ou incandescente; em ambos os tipos de luz, os 
comprimentos de onda vermelha predominam sobre o vermelho-longo. O p730 absorve o vermelho longo e 
converte-o novamente ao p660. Na natureza esta conversão ocorre lentamente. 
A FORMA DO FITOCROMO CHAMADA P730  
É A FORMA QUE ATIVA O PROCESSO FISIOLÓGICO.
Esta qualidade de FOTORREVERSIBILIDADE é a  propriedade mais distinta do fitocromo, e 
pode ser expressa de uma forma abreviada como segue: 
                                           
4
É bom lembrar que nem todas as fontes de luz branca são equivalentes em fotoperiodismo. A luz fluorescente difere consideravelmente em
relação à incandescente em seus efeitos, tanto no crescimento vegetativo, como na floração, quando utilizadas para prolongar o período de 
luz. A luz incandescente é rica em vermelho-longo e pobre em vermelho, e a luz fluorescente é rica em vermelho e pobre em vermelholongo. Material da Profa. Dra. Durvalina Maria Mathias dos Santos. Disciplina de Fisiologia Vegetal, Unesp, Jaboticabal. 2004  7
Na maioria dos casos e Pfr é a forma fisiologicamente ativa 
Respostas de plantas induzidas no total por fitocromo
Os tipos de respostas induzidas pelo fitocromo podem ser agrupados logicamente, para facilidade 
de discussão, em eventos bioquímicos rápidos e eventos morfológicos mais lentos, incluindo movimento 
e crescimento. Algumas das respostas bioquímicas iniciais afetam respostas morfológicas posteriores.  Material da Profa. Dra. Durvalina Maria Mathias dos Santos. Disciplina de Fisiologia Vegetal, Unesp, Jaboticabal. 2004  8
IMPORTANTES RESPOSTAS REGULADAS PELO FITOCROMO 
1. GERMINAÇÃO DE SEMENTES 
2. INDUÇÃO DO FLORESCIMENTO 
3. DESENVOLVIMENTO DO  CLOROPLASTO 
(não inclui síntese de clorofila) 
4. SENESCÊNCIA FOLIAR 
5. ABSCISÃO FOLIAR 
6. GANCHO PLUMULAR  
7. EXPANSÃO FOLIAR 
8. ALONGAMENTO CAULINAR 
Após a percepção do estímulo fotoperiódico pelo  fitocromo presente nas folhas, estas tem que 
mandar uma "mensagem" para o ápice, que sofrerá diferenciação de vegetativo para floral. Acredita-se 
que essa função seja desempenhada pelos HORMÔNIOS VEGETAIS.  
Existem evidências experimentais que comprovam a existência de inibidores do florescimento 
translocáveis, pelo menos em algumas espécies. Estes inibidores são produzidos, aparentemente, em
folhas expostas a condições fotoperiódicas desfavoráveis à iniciação floral e agem, presumivelmente, nos 
meristemas da parte aérea.  
Em poucas espécies, tanto substâncias que inibem a floração como substâncias que promovem o 
florescimento já foram detectadas. A formação de flores nestes casos parece ser controlada por um
balanço entre as duas classes de compostos.  
GIBERELINAS:  Experimentos com aplicação exógena de reguladores de crescimento têm
demonstrado que em diversas plantas de dias longos a floração pode ocorrer em condições não indutivas 
pela aplicação de  
CITOCININAS : Podem promover a floração em algumas plantas de dias-curtos e em algumas 
de dias-longos.  Material da Profa. Dra. Durvalina Maria Mathias dos Santos. Disciplina de Fisiologia Vegetal, Unesp, Jaboticabal. 2004  9
ÁCIDO ABSCÍSICO (ABA):  Estimula a floração em algumas plantas de dias curtos e inibe a 
floração em algumas espécies de dias longos, como o cravo. 
ETILENO : Comprovadamente estimula a floração em abacaxi. 
VERNALIZAÇÃO
Entretanto, não somente o  fotoperiodismo é o mecanismo mais importante responsável por essas 
respostas estacionais. A vernalização, também, constitui-se um dos mecanismo de destaque, pois é a indução 
ou aceleração da floração por temperatura baixa. Estes dois sistemas de controle permitem a sincronização da 
reprodução das plantas, sincronização esta que tem  vantagens adaptativas, pelo fato de favorecer a 
polinização cruzada e permiter que o florescimento coincida com ambientes favoráveis, principalmente no 
que se refere à água e à temperatura. 
Vernalização, segundo Lysenko (1928), significa um comportamento correspondente à primavera. É 
evidente que as temperaturas representam indicativos climáticos importantes para as plantas e que são um 
sinal das mudanças de estação. Uma grande parte das espécies tem a sua floração induzida por temperaturas 
baixas, principalmente espécies bianuais e perenes. Existem também espécies que florescem em resposta a 
altas temperaturas como espinafre, aster chinesa e Rudbeckia. 
Entende-se portanto, por VERNALIZAÇÃO os efeitos de baixas temperaturas sobre o florescimento. 
O termo vernalização inclui: 
a) a indução real da floração em espécies que  requerem baixas temperaturas, como por exemplo 
repolho, salsão e beterraba e b) a aceleração da floração em espécies que tem a sua floração apenas 
quantitativamente promovida pelas baixas temperaturas como por exemplo os grãos de inverno, alface e 
rabanete. 
Em geral, as plantas de inverno anuais são vernalizadas como plântulas, enquanto as plantas bianuais 
são vernalizadas após a primeira estação de crescimento. 
Como exemplos de espécies bianuais que precisam passar por um período de frio antes da ocorrência 
do florescimento podem ser citadas: beterraba (Beta vulgaris), salsão (Apium graveolens), repolho e outras 
formas cultivadas do gênero Brassica. Estas plantas apresentam requerimento obrigatório de vernalização, 
sendo que em regiões com inverno ameno, o repolho, por exemplo, pode crescer por vários anos e não 
florescer. Existem outras espécies que apresentam requerimento facultativo de frio, ou seja o florescimento é 
acelerado pelo frio, mas ocorrerá mesmo em plantas não vernalizadas. Entre estas espécies incluem-se o 
espinafre (Spinacea oleracea), a alface (Lactuca sativa) e variedades de ervilha (Pisum sativum) que 
apresentam florescimento tardio. 
Muitas espécies perenes também precisam do frio para florescer como o azevém (Lolium perenne), e 
as primulas (Primula vulgaris). Plantas com bulbos que florescem na primavera como o narciso (Narcissus) 
não apresentam requerimento de frio para a iniciação floral, já que o primórdio floral se estabelece dentro do 
bulbo durante o verão anterior, mas o seu crescimento é grandemente afetado pela temperatura. Em espécies 
que são vernalizadas como plântulas é o embrião que "percebe" a temperatura baixa enquanto em plantas 
mais crescidas é a região apical da parte aérea que precisa ser resfriada para que a vernalização seja efetiva.  
Acredita-se que podem ser vernalizados apenas os tecidos que possuem células em divisão. Quanto às 
temperaturas para vernalização, as mais efetivas estão entre 1-2
o
C. Exposições ao frio de curta duração, entre 
7 e 11 dias, têm efeito  vernalizador notável, sendo que este efeito aumenta progressivamente com o 
prolongamento do tratamento. 
O processo de vernalização pode ser revertido pela exposição dos grãos embebidos a temperaturas 
relativamente altas (25-40
o
C) por períodos de até quatro dias. Plantas tratadas deste modo apresentam 
florescimento reduzido e são denominadas de "desvernalizadas". 
BIBLIOGRAFIA CONSULTADA Material da Profa. Dra. Durvalina Maria Mathias dos Santos. Disciplina de Fisiologia Vegetal, Unesp, Jaboticabal. 2004  10
BUCHANAN, B., GRUISSEM, W., JONES, R. (Eds). Biochemistry & Molecular Biology of Plants.3
a
Impressão. 2001. American Society of Plant Physiologists, Rockville, Maryland, USA. 1367 p.  
FRANKLAND, B. Fitocromo e Crescimento Vegetal. EPU-EDUSP. Coleção Temas de Biologia. 1981. 
v.25. 76 p.  
PUROHIT, S.S., RANJAN, R.  Flowering: Physiological, Biochemical and Molecular Aspects. 
Jodhpur, Agrobios, 2002, viii, 187 p., figs., tables, $25. ISBN 81-7754-050-5. [Studies in Plant 
Physiology Series No. 4] 
RANJAN, R. Molecular Biology of Phytochrome. Jodhpur, Agrobios (India), 2002, 120 p., ISBN 81-
7754-138-2. 
RAVEN, P.H.; JOHNSON, G.B. Biology. Wm. C. Brown Publishers, Dubuque, USA., 4
a
 ed., 1996. 1310  
SALISBURY, F.B., ROSS, C.W. Plant Physiology. Wadsworth Publishing Company. 1992. 682 p. 
WACHOWICH, C.M. & CARVALHO, R.I.N. (Orgs.)  Fisiologia Vegetal: produção e pós-colheita. 
Champagnat Ed.: (Coleção Agrárias), Curitiba, PR. 2002. 424 p. 
 ______________________________________________
ATENÇÃO:
CONSULTAR AS EXCELENTES REFERÊNCIAS DISPONÍVEIS NA INTERNET SOBRE ESTE 
ASSUNTO, ABAIXO RELACIONADAS:  
PERES, L. E. P., CARVALHO, R.F.  Fotomorfogênese. Apostila. 2003. Disponível em <http:// 
http://orion.cpa.unicamp.br/sbfv/arquivos/aulas/grad01/17__crescimento_e_desenvolvimento___fotomorf
ogenese/Fotomorfo.pdf> Acesso em 12.08.2004. 
WEBSITE IMPORTANTE: http://ipe.rc.unesp.br/massa.html 
Prof. Dr. Massanori Takaki (Unesp, Rio Claro, SP) Docente do Departamento de Botânica – UNESP 
Pesquisador 1A do CNPq - Consultar o currículo Lattes
Linha de Pesquisa Fotomorfogênese de Plantas  
Estudo da influência da luz sobre os processos de desenvolvimento de plantas. 
Cópias de alguns trabalhos (conforme solicitações feitas para download). 
Também para mais informações verificar o texto O FITOCROMO E O CONTROLE DO DESENVOLVIMENTO 
DAS PLANTAS PELA LUZ, no capítulo 17, p.441-427 e o texto  O CONTROLE DO FLORESCIMENTO, no 
capítulo 24, p.581-611 encontrada na mais recente bibliografia de Fisiologia Vegetal: Material da Profa. Dra. Durvalina Maria Mathias dos Santos. Disciplina de Fisiologia Vegetal, Unesp, Jaboticabal. 2004  11
TAIZ, L., ZEIGER, E. Fisiologia Vegetal. 2004. 3
a
 ed.. Trad. Eliane Romanato Santarém et al. Porto Alegre: 
Artmed. 719 p. 
Ainda, muito pertinente a bibliografia abaixo para ampliar seus conhecimentos.
KERBAUY, G. B. Fisiologia Vegetal. Ed. Gauanabara Koogan, S.A. 452 p. 2004.

Nenhum comentário:

Postar um comentário